Projeto Setorial

O comércio exterior adquire cada vez mais importância para a empresa com atuação voltada ao crescimento, assim como para a economia brasileira, pelo ingresso de divisas, novas tecnologias de produção e gestão e, principalmente, geração de emprego qualificado e renda.

Vislumbrando esse cenário, a Abiquifi, em parceria técnica-financeira com a Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, desenvolvem o Projeto Setorial de Internacionalização, que objetiva a abertura e a consolidação de mercados para os setores Farmoquímico e Farmacêutico brasileiros, colocando o país na rota das grandes nações produtoras e exportadoras.

O Projeto Setorial visa a estruturação e alavancagem das ações de promoção comercial das empresas da cadeia produtiva farmacêutica e farmoquímica brasileira em mercados internacionais prioritários, com o objetivo de aumentar o grau de intercâmbio internacional, as exportações, troca de tecnologias, atração de investimentos e a internacionalização da cadeia produtiva farmacêutica.

Abiquifi trabalha há mais de três décadas incentivando as produções locais com foco na exportação de fármacos e medicamentos. Para a execução do Projeto Setorial a associação também conta com o apoio das seguintes entidades: Abifina, Alanac, Interfarma, Pró-Genéricos e Sindusfarma.

A internacionalização leva ao desenvolvimento das empresas, auxiliando-as no processo de modernização de produtos, processos e procedimentos, seja para conquistar novos mercados, seja para preservar suas posições no mercado interno.

Conheça as ações realizadas e veja como fazer parte desta iniciativa!

Visite o site do Projeto Setorial de Internacionalização, que traz as informações mais recentes desta importante ação da Abiquifi, em parceria com a Apex-Brasil, está sendo reformulado.

 

No biênio 2011/2012 o Projeto Setorial ganhou maior vulto

Participação na CPhI Worldwide – confirmada a importância estratégica da participação brasileira na feira, para o fortalecimento do relacionamento, em nível mundial, de nossas empresas, o Brazilian Pavilion da Abiquifi permaneceu figurando com uma das principais ações do projeto.

Rodadas Internacionais de Negócios – em 2011, o projeto passou a contar com novas ações, dentre as quais, as Rodadas Internacionais de Negócios, que beneficiaram as empresas do setor, aumentando a visibilidade da cadeia produtiva farmoquímica-farmacêutica no mercado internacional e as exportações brasileiras.

 

Em 2010, o foco do Projeto Setorial foi a participação brasileira em feiras e o planejamento estratégico

Participação na CPhI South America – promoveu a montagem do Brazilian Pavilion na feira realizada na Argentina, contando com quatro empresas brasileiras com estandes próprios e acolhendo outras 11 empresas que enviaram seus representantes para o evento.

Participação na CPhI Worldwide – o Brazilian Pavilion na França contou com 11 empresas brasileiras com estandes próprios e teve a sua área comum ampliada, oferecendo duas salas de reunião, ambientes para convívio e realização de negócios e serviço de bar para uso dos expositores e representantes de laboratórios brasileiros que não participaram como expositores.

Planejamento estratégico – através deste plano, foi possível avaliar as ações já realizadas pelo Projeto Setorial de Farmoquímicos e Farmacêuticos e elaborar o desenho do novo projeto de internacionalização que será apresentado à Apex-Brasil.

Em 2009, o Projeto Setorial desenvolveu três ações

Projeto Imagem Sanitária – promoção de visitas de diretores e técnicos de agências reguladoras de países da América Latina (Colômbia, Chile, Venezuela e Peru) à sede da Anvisa em Brasília e a plantas fabris de empresas farmoquímicas e farmacêuticas no Brasil.

Projeto Comprador – promoção de visitas de empresários latino-americanos (Argentina, México, Venezuela, Peru e Chile) do setor farmacêutico às plantas farmoquímicas e farmacêuticas instaladas no Brasil.

Projeto Feira – participação do Brazilian Pavilion da Abiquifi no evento CPhI Worldwide, realizado na Espanha, contou com a presença de dez empresas brasileiras com estandes próprios, como uma de suas ações.